terça-feira, 20 de março de 2012

Dominantes - Parte 1 - Acorde SUS4

Muito bem meu povo, como prometido vamos dar sequencia no post dos Dominantes e suas alterações. Vamos tentar também associar alguns modos e escalas de acordo com as alterações devidas, mas antes pequenas considerações acerca desse tópico. Quando falamos em relação Escala/Acorde estamos simplesmente falando de SINTAXE, ou seja, apenas e tão somente a relação de conformidade para a utilização dentro do improviso ou composição de melodias para a harmonia proposta. O conceito de sintaxe usado pura e simplesmente NÃO GARANTE a musicalidade do resultado, dependendo de conceitos extras como construção fraseológica, motivos e temas, tensão e relaxamento e etc. Vamos tratar desses tópicos a contento, mas por hora, vamos apenas tratar da sintaxe pura e simplesmente, e vamos resolvendo os pepinos a medida q forem surgindo. Num contexto mais amplo e simplista a relação sintática pode ser olhada pelo Campo Harmônico, onde associamos os modos do Campo aos acordes do tom, utilizando-os sem maiores prejuízos. A coisa começa a ficar interessante quando passamos a utilizar acordes "fora" do Campo, como vimos nos tópicos anteriores (dominantes individuiais, dominantes substitutos e etc.). A partir desse momento passamos a análise para o âmbito Acorde a Acorde, iniciando assim o processo de EXPANSÃO DA TONALIDADE, onde teremos dentro de uma tonalidade específica acordes/melodias/tensões visitantes com o intuito de "colorir" e apresentar o "novo" as velhas progressões :) Pensando na relação dentro da tonalidade do Campo Harmônico Maior teriamos portanto associado ao Dominante Principal (V7) o MODO MIXOLÍDIO, correto? Sim e não kkkkkkkk. Se pensarmos única e exclusivamente no CHM corretíssimo, mas vamos ver q o uso do MIXOLÍDIO num conceito mais "moderno" de improviso e composição funciona bem mesmo num caso específico, o acorde SUS4. Ainda não haviamos falado a respeito, mas o SUS4 é o dominante q teve sua TERÇA SUSPENSA, substituida pela QUARTA JUSTA (ou pela DÉCIMA PRIMEIRA) sem o menor prejuizo da função harmônica, e mantendo também suas "UPPER STRUCTURES", a NONA MAIOR (9) E A DÉCIMA TERCEIRA MAIOR (13) (ver no tópico "Altos Papos") Portanto: SUS4 = T , 4 , 7 , 9 , 13; MODO MIXOLÍDIO - T , 2(9) , 3 , 4(11), 5, 6(13), 7 , T. Esse foi só o primeiro caso, vamos esclarendo cada alteração e associando com os modos a medida forem surgindo. Abração a quem segue

4 comentários:

Talita do Vale disse...

Bacana ver gente tendo a coragem de ser vidraça! hehehe

Muito massa o blog, Daniel.
Estarei aqui sempre ^^

Belo post

Agraçoo!

Andre Lavor disse...

Virei leitor assiduo deste blog,
queria sugerir um post,
sobre como estruturar uma canção,
tipo caracteristica de uma introdução,
tema principal, ponte, refrão, coisas deste genero,

grande abraço

Andre Lavor disse...

Virei leitor assiduo deste blog,
gostaria de sugerir um tema sobre, estrutura musica ou como estruturar uma canção
introdução
tema principal
refrão
ponte(bridge)
e as caracteristicas destas estruturas,

grande abraço

Daniel Lima disse...

Obrigado Andre, vou pensar num post sobre estrutura de arraanjo de base pra breve. Valeu brother