segunda-feira, 15 de março de 2010

O Maioral...

Normalmente quando chegamos em algum lugar pela primeira vez é muito mais interessante que usemos um comportamento "low profile", aquele "Made in Belzonte", para que quando solicitem a nossa participação sejam positivamente surpreendidos. Quando chegamos com aquela "marra" a la Romário Copa 94' na melhor da hipóteses conseguiremos empatar com a expectativa. Em matéria de Harmonia, isso não foi respeitado, kkkkkkkk.
Nesse tópico vamos tratar da resposta para a nossa segunda pergunta fundamental (vide "Mestre Valente"), começando realmente com o MAIORAL, aquele que é a base para a construção de todo o resto em Harmonia para Música Popular, o CAMPO HARMÔNICO MAIOR.
A base para a formação do mesmo não podia ser outra senão a nossa querida ESCALA MAIOR, lembra dela?

T - 2 - 3/4 - 5 - 6 - 7M/T

formada por intervalos de tons inteiros entre suas notas, exceto em 3/4 e 7M/T, essa com intervalos de semitons.

O raciocínio é simples, formaremos os acordes desse nosso campo usando APENAS as sete notas da Escala Maior, estabelecendo em cada nota da mesma um GRAU e EMPILHANDO TERÇAS a partir deles geraremos as tétrades correspondentes.

Vejamos exemplo em C maior

C -- D -- E - F -- G -- A -- B - C

obs.: -- 1 tom / - 1/2 tom

se "empilharmos" as terças a partir do primeiro grau C, teremos:

C - E - G - B para o primeiro acorde, a ser classificado pelos intervalos na sua formação como C7M (Tônica=C, Terça maior=E, Quinta justa= G, Sétima maior=B)

no segundo grau teremos:

D - F - A - C , formando o acorde de Dm7 (Tônica=D, Terça Menor=F, Quinta Justa=A, Sétima menor=C)

no terceiro grau:

E - G - B - D , formando Em7 (Tônica=E, Terça Menor=G, Quinta Justa=B, Sétima Menor=D)

no quarto grau:

F - A - C - E , um F7M (Tônica=F, Terça Maior=A, Quinta Justa= C, Sétima Maior=E)

no quinto grau:

G - B - D - F, um G7 (Tônica=G, Terça Maior=B, Quinta Justa= D, Sétima Menor=F)

no sexto grau:

A - C - E - G, Am7 (Tônica=A, Terça Menor=C, Quinta Justa=E, Sétima Menor=G)

e no sétimo grau:

B - D - F - A, Bm7(b5) ou Bø (Tônica=B, Terça Menor=D, Quinta Diminuta=F, Sétima menor=A)

Assim formamos o Campo Harmônico para o tom de C Maior, sendo :

C7M, Dm7, Em7, F7M, Em7, F7M, G7, Am7, Bø

Se pensarmos q as distâncias e as relações intervalares são idênticas na escala maior em TODOS OS TONS, estabelecendo a mudança de tonalidade mudaremos apenas e tão somente as TÔNICAS dos acordes gerados, criando assim uma tabela geral para o Campo Harmônico Maior, sendo:

I7M -- IIm7 -- IIIm7 - IV7M -- V7 -- VIm7 - VIIø - I7M

obs.: Para definirmos os graus da escala maior usaremos os NUMERAIS ROMANOS correspondentes. Quando usarmos os graus adjacentes utilizaremos os "#" e "b" antes dos mesmos, com o mesmo efeito usado nas notas naturais, sendo portanto o #IV o grau ou acorde q estiver uma QUARTA AUMENTADA do grau I, e o bIII o q estiver uma TERÇA MENOR do mesmo, e assim sucessivamente.

Uma outra forma de enxergarmos o Campo Harmônico Maior é separarmos por família de acordes usados, sendo:

Maiores - I7M, IV7M

Menores - IIm7, IIIm7, VIm7

Dominates - V7

Meio Dimnutos - VIIø

Muito bem, vamos ficar por aqui, na sequência tem muito mais encrenca por ai, se pintar a dúvida ja sabe, me manda um email e etc.

Abração meu povo

Um comentário:

Victor disse...

Eai meu velho!
cara, quando li esse post e alguns outros mais antigos recordei das sei la quantas aulas de teoria tivemos heheh
abraços